Arrecadação do IPVA é de R$161,55 por habitante

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Segundo estudo do IBPT, o contribuinte paulista é o que pagará o maior valor do tributo.

Fonte: IBPT

Depois de aproveitar o Carnaval, é hora de o contribuinte que possui automóvel acertar as contas com o Fisco estadual: de acordo com estudo divulgado hoje, 19, pelo Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação – IBPT, a arrecadação com o Imposto sobre Propriedade de Veículos e Automotores – IPVA referente a 2014 alcançará a marca de R$ 32, 756 bilhões, sendo que cada brasileiro irá pagar, em média, R$ 161,55 do referente a esse imposto estadual. No ano passado, a arrecadação total foi de R$ 26,910 bilhões, apresentando portanto um aumento de 21,72%, em termos nominais, em relação a 2013.

São Paulo é o Estado que tem o IPVA mais caro por habitante, que é de R$ 307,13, por paulista; seguido pelo Distrito Federal, cujo tributo equivale a R$ 248,13 por habitante; Rio Grande do Sul, com R$199,78; Santa Catarina, com R$199,59; e Paraná, onde cada paranaense desembolsará R$191,23 para quitar o imposto.

Já o Estado do Maranhão é o que cobra o menor valor do IPVA dos habitantes, equivalente a R$ 47,28 por maranhense. A lista tem ainda os Estados da Paraíba, onde o imposto pago é de R$ 53,26; Pará, com R$ 53,74%; e Alagoas, com R$ 57,88 por cada habitante.

De acordo com o presidente executivo do IBPT, João Eloi Olenike, como as alíquotas do IPVA variam por Estado, é possível constatar a migração dos contribuintes proprietários de veículos para os locais que oferecem a menor tributação. “O Paraná, por exemplo, é o sexto Estado mais populoso do País, mas sua frota de veículos perde apenas para os Estados de São Paulo e Minas Gerais, que possuem 13.524.340 e 9.437.008 veículos, respectivamente”, explica. Segundo o tributarista, esse é o caso, por exemplo, de empresas que utilizam uma grande frota de veículos para exercer suas atividades, que, para uma economia do imposto, acabam indo emplacar seus veículos em outro estado, com menor tributação.

O estudo completo pode ser acessado no site www.ibpt.org.br. O presidente executivo do IBPT, João Eloi Olenike, está à disposição para comentar o estudo. Para mais informações, entre em contato com a De León Comunicações, nos telefones (11) 5017-4090//7604 ou e-mail paloma@deleon.com.br

Clique aqui e faça o download do estudo na íntegra.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Sobre o IBPT

Os estudos do IBPT são referências no mercado e visam identificar a carga tributária dos diversos setores da economia brasileira ou de uma empresa, especificamente. Eles fornecem um diagnóstico da tributação que incide sobre determinadas atividades, com dados suficientes para implementar uma gestão tributária e aumentar a competitividade. Realizamos pesquisas corporativas e de setores específicos para reduzir o peso dos tributos por meio de uma gestão tributária eficiente.

Posts Recentes

Siga-nos

No Youtube

Fique por dentro do IBPT

Assine nossa newsletter para receber nossas novidades.




    yes

    Close Bitnami banner
    Bitnami