Impostômetro atinge a marca 1 trilhão com queda na arrecadação

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Em 2016, crise é a responsável pela primeira queda na história da arrecadação registrada pelo Impostômetro

Fonte: IBPT

Na última terça-feira, 05, o Impostômetro atingiu a marca de R$ 1 trilhão arrecadados com impostos no Brasil. Este ano, excepcionalmente, houve um fator histórico: a queda na arrecadação. Em 2015, o Impostômetro registrou esse mesmo montante seis dias antes, em 29 de junho.

Desenvolvido pelo Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação – IBPT e instalado na sede da Associação Comercial de São Paulo – ACSP em 2005, o placar tributário demonstra os impostos pagos pelos brasileiros às três esferas de poder: municipais, estaduais e federal, desde 1º de janeiro de 2016.  

Os Estados que mais tiveram arrecadação dos tributos em geral foram: São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais. Referente às empresas normais, ou seja, do Lucro Real e Lucro Presumido, a média paga foi de R$ 174.681,16; empresas do Simples nacional, R$ 6.416,45; e o Microempreendedor Individual – MEI, foi de R$ 261,85 neste ano. Já a média paga por contribuinte brasileiro em 2016 foi de R$ 4.870,05, para atingir a arrecadação de R$ 1 trilhão.

A parceria entre o IBPT e a ACSP tem como objetivo a conscientização dos brasileiros com relação à alta cobrança dos impostos e a falta dos retornos em forma de benefícios para a sociedade.

De acordo com o presidente executivo do IBPT, João Eloi Olenike, a exposição dos números para a população possibilita a formação de um senso crítico com relação à alta taxa de tributos pagos. “O impostômetro tornou-se uma importante ferramenta para os brasileiros, no sentido de informar o quanto é pago de tributos diariamente”, afirma o presidente executivo da Entidade.

Para o presidente do Conselho Superior e Coordenador de Estudos do IBPT, Gilberto Luiz do Amaral, a demora para atingir R$ 1 trilhão em 2016 representa uma efetiva queda na arrecadação, decorrente da crise que atinge o País e enfraquece a atividade econômica. “Essa situação se reflete, com certeza, pelo nosso momento recessivo, com desemprego em grande escala e muitas empresas fechando suas portas”, garante Amaral.

O Impostômetro deixa claro aos contribuintes o valor em reais pagos nos impostos. A contagem é feita por meio da ferramenta eletrônica que tem como base para o levantamento de dados federais, como as arrecadações da Receita Federal do Brasil e da Secretaria do Tesouro Nacional, informações da Caixa Econômica Federal, do Tribunal de Contas da União e do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística 2013 – IBGE.

Para entrevistas, entre em contato com Bruna Raicoski, da De León Comunicações, nos telefone (11) 5017.4090// (11)9.9655-2340 ou e-mail bruna@deleon.com.br.

Clique aqui e faça o download do estudo na íntegra.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Sobre o IBPT

Os estudos do IBPT são referências no mercado e visam identificar a carga tributária dos diversos setores da economia brasileira ou de uma empresa, especificamente. Eles fornecem um diagnóstico da tributação que incide sobre determinadas atividades, com dados suficientes para implementar uma gestão tributária e aumentar a competitividade. Realizamos pesquisas corporativas e de setores específicos para reduzir o peso dos tributos por meio de uma gestão tributária eficiente.

Posts Recentes

Siga-nos

No Youtube

Fique por dentro do IBPT

Assine nossa newsletter para receber nossas novidades.




    yes

    Close Bitnami banner
    Bitnami